Pesquisa reduz em 80% custo de exame para diagnóstico de leucemias na tecnologia FISH

Pesquisas em desenvolvimento

Os anos de 2009 e 2010 foram marcados pelos avanços no projeto “FISH na diagnose de leucemia aguda em crianças”. O projeto chegou ao aprimoramento dos testes voltados para diagnósticos adotando a tecnologia FISH (hibridação in situ por fluorescência) com custos reduzidos. O objetivo é que mais crianças com leucemia linfoblástica aguda possam ter acesso a esse tipo de diagnóstico e, assim, almejar o tratamento adequado.

Cerca de um terço dos casos de neoplasias pediátricas são leucemias. Nesse grupo, o tipo de leucemia linfoide aguda representa a maioria. O exame do tipo FISH é importante para definir o melhor tratamento para cada tipo de doença e paciente. O problema é que o custo desse tipo de exame acaba sendo proibitivo, limitando o acesso no caso de muitos pacientes. A pesquisa identificou sondas utilizadas no teste FISH aptas ao uso em experimentos de citogenética molecular que têm o custo de aproximadamente R$ 50, valor 83% inferior ao custo das sondas comerciais.

O projeto tem o apoio do Ministério da Saúde, por meio do Departamento de Ciência e Tecnologia, da Secretaria de Ciência e Tecnologia e Insumos Estratégicos (Decit/ SCTIE/MS), por intermédio do CNPq e da Fundação Araucária.

Em 2009, a equipe que desenvolve a pesquisa passou a integrar a Rede ELINOR, que visa a aplicação da nanobiotecnologia na realização de testes inovadores para a detecção de alterações em leucemias. A ELINOR conta com o apoio do Ministério da Educação, por meio da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES).